DOTA 2: A paradoxal situação de se divertir com mal educados, xenófobos, machistas e racistas... ou não

DOTA 2 é um dos mais jogados MOBA (Multiplayer Online Battle Arena) no planeta. É também uma das minas de ouro da Valve, rendendo mais de US$ 130 milhões por ano para a empresa dona do serviço Steam. Só isso já é suficiente para conferir do que se trata o jogo. E é isso que fiz e tirei minhas primeiras impressões sobre o tal Defense of the Ancients.


Antes de tudo


Já parou para pensar como é escrito? É DOTA, DotA ou Dota? A Valve usa qualquer um para a sigla de Defense of the Ancients. E qual o correto?

Procurei em gramáticas e não achei nada a respeito sobre regras em inglês ou em português. Em português, o professor Laércio Lutibergue confirmou minhas suspeitas, existe uma omissão sobre o tema.

Então, pela lógica, o melhor a ser feito é usar tudo em maiúsculo e sem pontuação, para qualquer entender que a palavra é um sigla, ou seja, cada letra tem um significado.

Mas não pense que todos usam isso. Na mídia, em revistas científicas e editoras convencionou-se um padrão bem simples.

De maneira geral é tudo em maiúsculo para até 3 letras. Com 4 letras em diante, vai depender de como se fala. Se é dito letra por letra, usa-se tudo em maiúsculo; se for dito como uma palavra, a primeira será em maiúsculo e o resto em minúsculo. Por exemplo, INSS é falado letra por letra, enquanto Masp (Museu de Arte de São Paulo) é falado como uma palavra. ONU é falado como uma palavra, mas só possui 3 letras, então é tudo em maiúsculo.

Existem ainda padronizações diferentes. A Unesp, por exemplo, quer que além de usar as regras anteriores, sua sigla seja em negrito. Como não sou da assessoria de comunicação, escreve sem negrito mesmo pois não levarei um puxão de orelha.

Ah! Vamos logo às primeiras impressões logo!

O que é MOBA mesmo?


Eu tinha uma ideia básica do que era um MOBA: "MOBA é o que League of Legends é". A explicação era besta, mas não tem muita explicação mesmo.

DOTA 2 é um MOBA, um Multiplayer Online Battle Arena. Significa que o jogo se trata de uma competição entre times em uma arena de batalha fechada e o objetivo é ganhar do time adversário.

Mapa de batalha padrão dos MOBA - Imagem: Wikipédia.

Simples, não é mesmo? Sim, a explicação do que é um MOBA em sentido estrito é simples, mas em sentido amplo é que torna tudo diferente. Para entender o que é um MOBA fui obrigado a entender toda a mecânica de jogo.

Mecânica de jogo complexa


Quem nunca jogou um MOBA na vida levará um susto ao jogar DOTA. Quando conectei ao jogo, percebi que não era um simples "entrar e jogar". Na primeira vez fui obrigado a realizar um longo e cansativo tutorial. E não só um longo e cansativo tutorial, mas um longo, cansativo e chato tutorial.

O tutorial é de matar, mas permite entender os princípios básicos, como o conceito de trilha, torres da importância dos "bichinhos estranhos que saem da sua base e vão desesperadamente destruindo tudo pela frente" etc.

Após horas de tutorial, deparei-me com um pensamento estranho. "Fiz o tutorial e ainda não sei nada do jogo!". Sim, se realmente fez o tutorial você não sabe nada do jogo. E não adianta jogar partidas, você não vai continuar sabendo muita coisa -- Importante! A Valve fez uma grande modificação no jogo há pouco tempo e agora há um guia de partida controlado por IA dando dicas e dizendo o recomendado para se fazer. O chamado DOTA 2 Renascido está em beta.

Depois de horas de tutorial, qualquer iniciante será obrigado a pesquisar sobre cada herói. A explicação é o grande trunfo dos MOBA. Cada personagem tem um função específica no jogo e a time precisa ser equilibrado.

Um time poderá ser formado com heróis com funções de Carregador, Suporte, Suporte na trilha, Desativador, Iniciador, Caçador, Resistência, Bombardeador, Empurrador e Escapista.


É fundamental entender do que se trata cada função e saber de cada personagem, pois um time equilibrado não pode ser formado só por Carregadores, que são geralmente fracos no começo do jogo e precisam de suporte na trilha e são dependentes de itens. Imagine todo o time competindo pelos mesmos itens?

Aliás, entender sobre as dezenas de itens é fundamental. Cada tipo de função/herói será melhor com certo item.

Outra parte importante é entender as gírias de jogo. Eu fiquei um pouco perdido quando jogadores começavam a falar sobre "farmar", "carry dar o last hit", "wardar", "gankar", "denar", "stack", "pull" e mais um monte de palavras que você fala "mas que p#$%@ é essa!?".

Para resumir bem, não dá para jogar DOTA (quem nunca jogou qualquer MOBA, claro) sem ler muito e ver "trocentos" vídeos para iniciantes.

Ambiente de jogo


Após fazer o tutorial, ler a respeito e jogar partidas contra bots, você vai partir para o inevitável e o objetivo de todo jogo MOBA: jogar com e contra seres humanos.

Quando joguei pela primeira vez percebi que realmente o jogo não era chato, massante, sonífero como pensei quando estava no tutorial e nas partidas com a IA. Jogar com e contra pessoas de verdade é muito mais dinâmico e imprevisível. É obrigatório, ainda, jogar conversando com seu time, de preferência por microfone.

Partida de DOTA 2
Ao combinar as características do mecanismo de jogo com a interação com pessoas, o jogo se torna viciante. É jogar em equipe, com estratégia, tática e com as emoções da situação faz qualquer um querer jogar mais e mais.


Partida de DOTA 2 narrada

O ambiente de comunidade e equipe faz toda a diferença. DOTA não seria incrível sem isso, mas aí também mora o problema.





Estado de Natureza de Hobbes


Eu sempre me perguntei se em 2015 ainda poderia existir na humanidade possibilidade de regressar ao Estado de Natureza descrito por Thomas Hobbes, onde o "homem é o lobo do homem", onde o caos reina e a violência é ilimitada. Bom, jogue DOTA e veja como Hobbes é tão atual.

Se você acha que nas redes sociais existem babacas, em DOTA a coisa piora em muito. É impressionante como existem pessoas mal educadas, egoístas, preconceituosas, misóginos, machistas, racistas e muito outros "istas".

Quando comecei a jogar não sabia muita coisa, sempre jogava em "casual" e para inciantes, obviamente. Isso quer dizer o quê? Quer dizer que quem está jogando nessas modalidades está começando e sabe pouco, não é mesmo? Parece que não, pois o número de pessoas que reclamaram e literalmente xingaram todas minhas gerações passadas e futuras era de assustar. Se você não faz a menor ideia de como usar uma runa, não sabe "farmar" e nem sabe quando é chamado para "gankar", ninguém vai ensiná-lo, vai é xingá-lo (e você vai continuar não sabendo o que é isso, porque ninguém tem interesse em informar).

Os mais mal educados parecem se comportar como deus supremo, que sabem tudo e que o resto do time não sabe nada. E curiosamente, no lugar de ensinar a jogar e orientar o time para poder ganhar a partida, a tática usada é mais no "cada um por si e quando o time perder você e todo o resto são os culpados". Ah! E ai de você se tiver sotaque, será achincalhado. Se tiver algum sotaque nordestino, será pior. Já presenciei ataques logo no começo do jogo porque um jogador tinha sotaque baiano.

Era uma minoria? Provavelmente, mas eram tantos que deu a nítida sensação de que todos imbecis do país estavam jogando DOTA e que existe algum encontro semanal de neonazistas também, pois a xenofobia, racismo, homofobia, misoginia e machismo parecem ser um comportamento constante.


Exemplo de situação caótica mas normal em DOTA

Isso é algo realmente assustador, pois são na maioria jovens com boas condições de vida, com muitas oportunidades, ou seja, que vão comandar o país pelas próximas gerações. Isso faz qualquer um pensar "tô lascado, pois é essa gentinha com tanto ódio, rancor e preconceito que vai estar aí nas ruas".

No site Last Hit tem uma entrevista com cyber-atletas kinGRD e Algodochin. O primeiro nordestino e o segundo argentino. Com essa entrevista tirei minha dúvida se o problema era comigo ou generalizado: clique aqui para ler a entrevista.

Você é mulher? F#$eu!


Fiz minha namorada jogar um pouco para ter uma opinião diferente. Após o tutorial ensinei o básico para não se perder na complexidade do jogo. Na primeira partida ela foi de Windranger como Suporte.

Windranger
O senso comum diz que quando se é mulher em um jogo dominado por homens como DOTA os homens serão mais compreensivos e atenciosos - por sei lá qual motivo. Não é bem o que acontece.

A partida foi como muitas, "cada um por si". A Windranger foi abandonada e obrigada a tentar segurar sozinha as investidas de um Carregador e seu Suporte na trilha do meio. Ao mesmo tempo tentava fazer seu verdadeiro trabalho de suporte negligenciado por outro suporte, que estava tentando mais matar outros jogadores que qualquer outra coisa (por pura inexperiência).

O resultado do "cada um por si" não poderia ser outro. A equipe estava perdendo e a trilha do meio rapidamente caindo. O que aconteceu? Dois jogadores, que se conheciam e estavam com Carregadores, começaram a elegem culpados ao longo da partida. Um outro também entrou na discussão para concordar com eles. No final, os culpados foram um iniciante em sua primeira partida que desistiu do jogo, claramente por não aguentar a má educação dos dois cidadãos, e a Windranger, que "estava perdida no jogo, pois ficava para lá e para cá" (estava tentando defender a abandonada trilha do meio, colocar sentinelas e ainda tentar dar suporte aos Carregadores mal educados) e que "era mulher e mulheres não sabem jogar", repetido várias vezes ao longo de mais de meia hora de jogo.

No final, minha namorada já sabia o que fazer: desinstalar o jogo. Para ela não valia a pena ficar em um ambiente com tanto ódio e com tantos moleques imaturos sem resquício de educação e sociabilidade.

Isso mostra bem como a comunidade tóxica de DOTA e dos jogos online em geral são prejudiciais ao futuro da franquia. Com uma recepção dessas, muitos não sentem vontade de simplesmente iniciar por vontade própria.





Jogue com amigos


Como o jogo pode ser divertido e viciante com um ambiente tão inóspito e venenoso? A palavra-chave para vencer essas grandes adversidades se chama "amizade".

Minhas primeiras impressões sobre o DOTA 2 é que o jogo deve ser jogado com amigos, pois sem eles a aleatoriedade da escolha das pessoas que farão parte de seu time na arena é preocupante e o estresse de partidas com mal educados, preconceituosos, racistas e como todos os seres odiosos não compensa.

Com amigos é possível formar uma equipe sem essa gentinha tão prejudicial. Com amigos é possível aprender a jogar com calma e seguir táticas e estratégias dentro da arena. Com amigos as discussões e xingamentos serão divertidos, não ameaçadores e estressantes. Você vai rir muito quando alguém afirmar que você é filho daquelas mulheres que trabalham duro na rua ou tomar em uma parte do corpo que na maioria das pessoas não pega sol.

Nem mesmo a sorte de encontrar pessoas sem todo esse ódio pode fazer da partida ficar mais divertida, porque é comum jogar "cada um por si", sem trabalho em equipe decente, ou mesmo encontrar grupos de pessoas que não conseguem entrosamento na comunicação, acarretando uma partida chata, sem o fator diversão em grupo.

Jogue com amigos ou tenha bastante paciência e sorte.

Se ficou interessando, baixe o jogo no Steam de graça: http://store.steampowered.com/app/570/
Não deixe de assistir também ao filme Free to Play, que mostra a saga de atletas profissionais de DOTA: http://steamcommunity.com/app/245550

0 comentários: